Tatuagem eletrônica promete revolucionar medicina, jogos e segurança


WASHINGTON — Um adesivo eletrônico da espessura de um fio de cabelo, que adere na pele como uma tatuagem temporária, poderá revolucionar procedimentos médicos, videogames e operações de espionagem, revelou um estudo publicado esta quinta-feira na revista Science.

A tecnologia de microeletrônica, denominada sistema eletrônico epidérmico (EES, na sigla em inglês), foi desenvolvida por uma equipe internacional de cientistas de Estados Unidos, China e Cingapura.
"Trata-se de uma tecnologia que reduzirá o abismo entre eletrônica e biologia", disse o co-autor do estudo, John Rogers, professor de ciência de materiais e engenharia da Universidade de Illinois em Urbana-Champaign.

"Nosso objetivo era desenvolver uma tecnologia eletrônica que pudesse se integrar à pele de uma forma que ficasse invisível mecânica e fisiologicamente para o usuário", acrescentou.

O adesivo poderá substituir os eletrodos usados para monitorar a atividade do cérebro, do coração e do tecido muscular e, quando colocado na garganta, permitiu aos usuários operar um video game acionado por voz com precisão superior a 90%.

"Este tipo de dispositivo poderá ser útil para aqueles que sofrem de algumas doenças de laringe", explicou. "Também poderá servir de base para a capacidade de comunicação subvocal, adequada para situações de camuflagem ou outros usos", acrescentou.

O dispositivo sem fio quase não tem peso e exige tão pouca energia para funcionar que pode se reabastecer sozinho usando coletores solares miniaturizados ou capturando radiação eletromagnética dispersa ou transmitida, acrescentou o estudo.

Com espessura inferior a 50 microns, um pouco mais fino do que o cabelo humano, o equipamento pode aderir à pele sem a necessidade de uso de cola.

"Forças denominadas 'van der Waals' dominam a aderência ao nível molecular, portanto as tatuagens eletrônicas aderem à pele sem qualquer cola e fica no lugar por horas", destacou o estudo.
O engenheiro Yonggang Huang, da Northwestern University, afirmou que o adesivo é "tão macio quanto a pele humana".

Rogers e Huang trabalharam juntos nesta tecnologia durante seis anos. Os dispositivos poderão ser usados no futuro em pacientes com apneia noturna, bebês que precisam de cuidado neonatal e para produzir bandagens eletrônicas para ajudar a pele a cicatrizar queimaduras e ferimentos.

Fonte: http://www.google.com/hostednews/afp/article/ALeqM5jZLptNYH91MPj-fPcQ89PRW3LXdg?docId=CNG.37148fe0bc02875dfcd2663384771f38.111

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Falha grave no Bluetooth coloca bilhões de dispositivos em risco

Bancos de Dados Existentes

Tenha uma boa postura ao usar o computador