terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Crackers mostram que grampear celular GSM é mais fácil do que se pensa

Com 30 mil dólares em hardware de computador e algumas ferramentas gratuitas de código aberto, pesquisadores conseguiram quebrar sigilo.

Os celulares que utilizam o modelo de comunicação GSM, usados pela maioria das pessoas no mundo, podem ser grampeados com apenas alguns milhares dólares de hardware e algumas ferramentas gratuitas e com código aberto, segundo pesquisadores de segurança de computadores.

Em uma apresentação realizada nesta semana na Chaos Communication Conference em Berlim, na Alemanha, o pesquisador Karsten Nohl disse ter compilado 2 terabytes de dados que podem ser usados como um tipo de agenda telefônica reversa para identificar a chave de codificação utilizada para preservar o sigilo de conversas ou mensagens de texto em uma linha GSM.

A falha está no algoritmo de codificação usado pela maioria das operadoras. É uma cifra de 64 bits chamada A5/1 e é simplesmente muito fraca, segundo Nohl. Usando as informações dele e empregando antenas, softwares especializados e 30 mil dólares em hardware de computadores para quebrar a cifra, uma pessoa pode violar a codificação em tempo real e ouvir as ligações, segundo Nohl.

Há cerca de 3,5 bilhões de celulares GSM no mundo, o que representa cerca de 80% do mercado móvel, segundo dados da GSM Alliance, associação da indústria que representa fabricantes e operadoras.

Um porta-voz da associação GSM disse que o grupo irá avaliar as descobertas do pesquisador nos próximos dias e alertou que em muitos países o grampo de linhas de celular é ilegal.

A associação afirmou ainda ter desenvolvido um padrão de próxima geração, chamado A5/3, que é considerado muito mais seguro. Esse padrão é utilizado em redes 3G para dar segurança ao tráfego da internet.

(Robert McMillan)

Fonte: http://idgnow.uol.com.br/seguranca/2009/12/29/crackers-mostram-que-grampear-celular-gsm-e-mais-facil-do-que-se-pensa/

domingo, 6 de dezembro de 2009

Brasil já tem 60 emissoras transmitindo sinais digitais de televisão

A cidade de Londrina é o mais recente município brasileiro a ter transmissões digitais de televisão. Terceira cidade mais populosa do sul do Brasil, Londrina começa a receber os primeiros sinais digitais ainda nesta quarta-feira, 2 de dezembro. O Ministério das Comunicações autorizou, na tarde de terça-feira, o início das operações naquele município. Representantes de quatro emissoras da cidade já poderão proceder às operações dos canais digitais. “Londrina se integra à rede digital fazendo parte do grupo formado por 19 capitais e oito cidades pólo”, comemorou o secretário-executivo do Ministério das Comunicações, Fernando Lopes de Oliveira. O ministro das Comunicações, Hélio Costa, ficou retido em Belo Horizonte (MG), por causa do mau tempo na capital mineira, e não pode comparecer à cerimônia de assinatura dos termos de consignação, ocorrida em seu gabinete, em Brasília.

A TV Coroados (Sociedade Rádio Emissora Paranaense) é a 60ª emissora brasileira a irradiar sinais digitais em caráter permanente. Agora, em todo o território nacional, a TV Digital já é parte do cotidiano de 51 emissoras distribuídas em 19 capitais e outras oito cidades brasileiras.

Além da TV Coroados, a Televisão Cidade, a Rádio e Televisão OM e a Televisão Londrina receberam o canal digital em cerimônia que contou com a participação do prefeito municipal de Londrina, Homero Barbosa Neto, de parlamentares do Estado, além de representantes de entidades do setor de radiodifusão, como o presidente da Associação Brasileira de Rádio e Televisão (Abert), Daniel Slaviero.

O prefeito Homero Barbosa Neto citou um fato histórico da cidade paranaense na radiodifusão brasileira. “Londrina foi a primeira cidade do interior do Brasil a ter uma emissora de televisão,” lembrou. Ele ressaltou o fator econômico industrial da implantação do sistema digital de televisão na região. “Com a democratização da TV Digital, oportunidades de empregos e investimentos vão fazer girar a roda da economia e conseqüentemente melhorar a qualidade de vida”, completou.

O vice-presidente da Sociedade Rádio Emissora Paranaense, Mariano Lemanski, disse que o início das transmissões digitais em Londrina é motivo de orgulho. “É um momento histórico de revolução da tecnologia da televisão brasileira”, disse.
O empresário Éderson Muffato, da Televisão Londrina, informou que a emissora está em fase de projetos e já adquiriu os equipamentos necessários para iniciar as transmissões digitais. “Temos celeridade e colocar logo no ar o sistema digital,” disse. O empresário Rodrigo Martinez, procurador da Rede e Televisão OM, lembrou que foi em Londrina que emissora iniciou suas operações ainda nos anos 70.

Na cerimônia também foi assinada a consignação para a TV Cidades dos Príncipes, emissora de Joinville (SC). O diretor-presidente da emissora, Marcelo Corrêa Petrelli, disse que a cerimônia demonstra a união do Sul na implantação da TV Digital na região. “Nós tivemos a grande mudança na TV brasileira na Copa do Mundo de 1970, com a televisão colorida. Até então, não tivemos outra mudança significativa a não ser esta, da TV Digital, quase 40 anos depois,” completou.

Com o início das transmissões na cidade paranaense, somam-se agora 27 cidades com TV Digital. Destas, 19 são capitais e oito são cidades pólo: Manaus (AM), Salvador (BA), Fortaleza (CE), Brasília (DF), Vitória (ES), Goiânia (GO), Belo Horizonte (MG), Uberlândia (MG), Campo Grande (MS), Cuiabá (MT), Belém (PA), João Pessoa (PB), Recife (PE), Teresina (PI), Curitiba e Londrina (PR), Rio de Janeiro (RJ), Porto Alegre (RS), Florianópolis (SC), Joinville (SC), Aracaju (SE), Campinas (SP), Ribeirão Preto (SP), São Paulo (SP), Santos (SP), São José do Rio Preto (SP) e Sorocaba (SP).

Fonte: www.pantanalnews.com.br/contents.php?CID=42560

Uso de computador ainda é restrito

Apenas 4% das escolas públicas brasileiras têm computador dentro da sala de aula e 89% dos professores não se sentem preparados para usá-los. O cenário foi traçado por uma pesquisa da Fundação Victor Civita em parceria com o Ibope e a Universidade de São Paulo (USP).

O estudo apontou que o número de professores que usam a tecnologia com seus alunos é ainda pequeno e, quando ocorre, acaba sendo com maior frequência no laboratório de informática. Segundo os dados, cerca de 57% dos colégios têm até 20 computadores.

A pesquisa foi feita em uma amostra de 400 escolas, de várias cidades brasileiras. A professora de Música de uma escola de São Leopoldo Áudrea Martins, 35 anos, usou a internet com seus 54 alunos. Segundo ela, com a ajuda de um programa de informática, eles criaram suas próprias composições.

http://zerohora.clicrbs.com.br/zerohora/jsp/default2.jsp?uf=1&local=1&source=a2739515.xml&template=3898.dwt&edition=13658&section=1003